FINANCIÁRIOS DEFINEM PRIORIDADES PARA CAMPANHA NACIONAL 2024

Representantes de sete federações de trabalhadores do ramo financeiro de todo o país reuniram-se na 7ª Conferência Nacional dos Financiários, e aprovaram a pauta de reivindicações.

A pauta de reivindicações será entregue e negociada com a Fenacrefi, sindicato patronal que representa as financeiras. O objetivo é a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho – instrumento onde estão clausulados todos os direitos e benefícios da categoria.

“É difícil mobilizar as financeiras [para se sentaram na mesa de negociação]. Hoje temos um número que não chega a sete mil representados pela nossa Convenção Coletiva de Trabalho, de um total de um milhão de trabalhadores que operam crédito. É um trabalho árduo, difícil, e a Fenacrefi também passou por mudanças. Vamos aproveitar o máximo da nossa experiência para organizar o ramo financeiro, levando em consideração a transformação que o setor vem passando, e que também nos faz pensar em um novo modelo de sindicalismo”, enfatizou Jair Alves, coordenador do Coletivo dos Financiários da categoria.

Principais pontos da pauta aprovada

  • Reajuste salarial e da PLR pelo INPC/IBGE auferido entre junho de 2023 e maio de 2024, mais aumento real de 5%;
  • Aumento do valor da parcela adicional da PLR, com a proibição da compensação de valores dos programas próprios;
  • Aumento diferenciado nos vales alimentação e refeição pelo INPC de junho de 2023 a maio de 2024, mais 7% de aumento real (cálculo que leva em consideração a inflação da alimentação fora de casa e domiciliar);
  • Manutenção de todas as cláusulas sociais garantidas pela CCT atual, com avanços e melhorias; como períodos maiores de estabilidade no emprego;
  • Cláusula de prevenção ao assédio moral e sexual;
  • Igualdade de oportunidades;
  • Vigência de dois anos da CCT – a convenção vigente tem validade de 1º de junho de 2022 a 31 de maio de 2024. A data-base (período do ano em que patrões e empregados representados pelos sindicatos se reúnem para negociar a CCT) da categoria financiária é 1º de junho;
  • Auxílio-transporte/auxílio-combustível para deslocamento noturno;
  • Vale-transporte com percentual diferenciado e mais vantajoso ao empregado;
  • Abrangência da CCT para todos os empregados que atuam em financeiras, prestadoras de serviços de crédito, administradoras de cartões de créditos, promotoras de venda e crédito, sociedades de crédito imobiliário, associações de poupança e empréstimo, empresas de arrendamento mercantil etc.;
  • Folga assiduidade de 5 dias por ano;
  • Definição de regras para o teletrabalho, incluindo ajuda de custo de R$ 500 por mês, a ser reajustado;
  • Garantia de as empresas concederem vacinas contra gripes e demais epidemias, a empregados e dependentes.

Durante a conferência, também foi aprovada a arte da comunicação da campanha, visando a mobilização e a participação da categoria; e o calendário para as próximas etapas.

  • 9 e 10 de abril: assembleias deverão ser realizadas pelos sindicatos a fim de aprovar, junto às suas bases, a minuta que foi aprovada na conferência; e autorizar os sindicatos a negociar com a Fenacrefi;
  • Até o fim de abril: entrega da pauta à Fenacrefi. A partir daí será reivindicado um calendário para início das negociações.

A 7ª Conferência Nacional dos Financiários representa mais uma etapa da Campanha Nacional 2024, que teve seu início com a Consulta Nacional, realizada de 11 a 23 de março.

Perfil da categoria financiária
Durante a conferência foi traçado um perfil da categoria, baseado na Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Os dados revelam que em 2022, ano da última publicação da Rais, a categoria atingiu seu maior patamar histórico, com 8.381 trabalhadores. A distribuição entre sexo é equilibrada: 51% mulheres e 49% homens. A maioria dos trabalhadores (70%) possui entre 30 e 49 anos e ensino superior completo (87,7%).

“A Campanha Nacional dos Financiários é uma etapa muito importante no sentido de garantir e ampliar os direitos dos trabalhadores de empresas financeiras. Precisamos estar organizados para uma campanha forte e que resulte na ampliação de direitos. E eles devem estar mobilizados para garantir seus direitos e conquistar a renovação da Convenção Coletiva de Trabalho”, afirma Ana Marta Lima, diretora executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo. (Fonte: Seeb SP)

Notícias FEEB PR