ITAÚ É CONDENADO A REINTEGRAR FUNCIONÁRIO, E PAGAR INDENIZAÇÃO POR DANO MORAL APÓS AÇÃO DO SINDICATO

O Itaú, após dispensar um funcionário que encontrava-se em tratamento contra um linfoma de Hodgkin, depressão e ansiedade generalizada, foi condenado pela Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, após ação do sindicato através do advogado Dr. Antônio Carlos Saraúza, a reintegrar o trabalhador na sua agência de origem, além do pagamento de horas-extras, salários atrasados e seus reflexos como 13º salário, FGTS e férias.

Na sentença, proferida pelo Desembargador Relator Gerson Lacerda Pistori, o magistrado argumenta que o Itaú tem responsabilidade pela doença psiquiátrica do reclamante e que não tomou atitudes para um promover um ambiente de trabalho sadio, violando o princípio da boa-fé através desta dispensa imotivada. Ainda segundo o relator, o banco não demonstrou efetivamente que cumpre as normas de saúde, psicológica e mental, tendo em vista o disposto nos artigos 157 da CLT e 19 da Lei 8.213/91 e também as disposições da NR-1.

A dispensa do trabalhador enfermo constituiu um ato discriminatório, atentando contra princípios constitucionais básicos da dignidade e do valor do trabalho. (Fonte: SEEB Franca/SP)

 


Fotos:

SINTRAF-GV:

Facebook